A História da Energia Solar Fotovoltaica

O efeito fotovoltaico foi observado pela primeira vez no ano de 1839, pelo físico francês Alexandre-Edmond Becquerel. Ele descobriu que certos materiais produzem pequenas quantidades de corrente elétrica quando expostos à luz, ele fez isso mergulhando um eletrodo em uma solução de eletrólito.

Em 1883 foi produzida a primeira célula solar produzida com selênio, com eficiência de conversão de aproximadamente 1%. Os estudos foram avançando durante o fim do século 19 até a metade do século 20 e diversos físicos como Lange, Grondahl e Schottkl, Ohl, Billing e Plessnar e Shockely, contribuíram direta e indiretamente para o desenvolvimento da tecnologia fotovoltaica (FADIGAS, 2012).

Energia Solar Apollo 11
Apollo 11.
Fonte: Smithsonian, 2011.

Em 1954 foi desenvolvida uma fotocélula de silício com as características semelhantes às encontradas hoje com eficiência de 6%. Devido à corrida espacial, EUA e URSS usaram e desenvolveram este recurso com a premissa de operar seus programas espaciais com o máximo de aproveitamento possível, Buzz Aldrin (Segundo homem a pisar na lua) instala o Pacote de Experimentos da Superfície Lunar da Apollo, que contava com painéis solares e servia para realizar diversos experimentos na superfície lunar.

A crise do petróleo de 1973 renovou e ampliou o interesse em aplicações terrestres para a energia solar fotovoltaica. Porém, para tornar economicamente viável essa forma de conversão de energia, seria necessário, naquele momento, reduzir em até 100 vezes o custo de produção das células fotovoltaicas em relação ao custo daquelas células usadas em aplicações espaciais. Nos Estados Unidos, algumas empresas de petróleo resolveram diversificar seus investimentos, incluindo a produção de energia a partir da radiação solar em suas áreas de negócios.

Em 1978, a produção da indústria fotovoltaica no mundo já ultrapassava a marca de 1 MWp/ano. Os Estados Unidos foram líderes mundiais na produção dessa tecnologia durante a maior parte da década de 1990. No final dessa década, políticas de governo na Alemanha e no Japão resultaram em aumentos substanciais no desenvolvimento desse mercado. Essas políticas foram impulsionadas, em parte, por um forte compromisso com a redução de CO2, conforme previsto pelo Protocolo de Kyoto, e em parte para desenvolver o mercado dessa tecnologia para exportação.

Em 1998, a produção mundial de células fotovoltaicas atingiu a marca de 150 MWp, sendo o silício quase absoluto dentre os materiais utilizados. O grande salto no desenvolvimento do mercado fotovoltaico resultou do rápido aumento da produção chinesa, observado desde 2006.

Em 2003, a Ásia não figurava entre os dez maiores fabricantes do mundo, entretanto, em 2008, três destes eram da China e um de Taiwan e, em 2009, a China já ocupava a liderança na fabricação de módulos.

Manual de Engenharia para Sistemas Fotovoltaicos
Manual de Engenharia para Sistemas Fotovoltaicos.
Fonte: João Tavares Pinho, Marco Antonio Galdino, 2014.
Fontes

FADIGAS, Eliane Aparecida Faria Amaral. Energia Solar Fotovoltaica: Fundamentos, Conversão e Viabilidade Técnico-Econômica. São Paulo, 2012. GEPEA – Grupo de Energia Escola Politécnica Universidade de São Paulo. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/56337/mod_resource/content/2/Apostila_solar.pdf

SMITHSONIAN. Buzz Aldrin Sets Up the PSEP. 2011. Disponível em: https://airandspace.si.edu/multimedia-gallery/web12067-2011hjpg?id=3640


Autores
Artigo de Ezequias Silveiro Peruzzo

Ezequias Silveira Peruzzo

Engenheiro Eletricista e Técnico de P&D na Solar Inove.

Acesse seu LinkedIn: Clique Aqui

Artigo Guilherme Peters Junior

Guilherme Peters Junior

Engenheiro Eletricista e Analista de Marketing e P&D na Solar Inove.

Acesse seu LinkedIn: Clique Aqui

Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários
0
Deixe seu feedback referente ao post!x
()
x